sábado, 10 de maio de 2008

"W.": o anti-"World Trade Center"?

Depois de um patriótico e contido, embora excelente, "World Trade Center", será que Oliver Stone está de volta à ferocidade e à polémica com "W.", filme sobre a presidência contestada de George W. Bush, o seu terceiro ensaio sobre um presidente americano depois de "JFK" e "Nixon"? Esperemos que sim, Oliver Stone nunca é tão bom como quando retrata e analisa os podres e as contradições do seu país. Agora ficamos à espera do trailer.

(Josh Brolin irreconhecível!)

7 comentários:

Shin_Tau disse...

Concordo contigo,acho que Oliver Stone poderá fazer um grande filme. O problema aqui é saber se ele vai conseguir evitar a parte ridícula de Bush com mestria, é mais uma vez esperar para ver.

Zatoichi disse...

Ora olá, pessoal do blog, à quanto tempo!!!!


Tenho a dizer que não sou grande fã de Oliver Stone, não gosto da sua militância politica que transparece nos seus filmes, resultando frequentemente em filmes unilaterais e manipuladores não deixando espaço para o espectador manifestar praticamente o seu ponto de vista nem de reflectir de uma forma livre.
No entanto é injusto não reconhecer que Oliver Stone também é um realizador e argumentista com talento, o argumento de "Scarface" é completamente genial recheado de one-liners do grande Tony Montana completamente antológicas, sendo que é autor de um dos filmes mais originais (visualmente) e caústicos (narrativamente) que vi até hoje, o autêntico "take-no-prisioners kind of film" o alucinado e "borderline" fabuloso "Natural Born Killers".



O que me despertou atenção e esperanças para este filme de Stone, "W" foi depois de ter lido um espectacular artigo na revista online "Entertainment Weekly" através de um link no site da "Empire", que é uma análise à pré-produção do filme e à forma como Oliver Stone vai abordar o filme, pelo menos se seguir o género do argumento.
Parece que não vamos ter aqui direito, e ainda bem, a mais um manifesto politico e a uma lição de moral por parte de Oliver Stone, mas sim uma análise feita de forma sarcástica e corrosiva À personalidade de George W.Bush, sem nunca cair na caricatura ridicula (isto se atendermos às palavras de Stone), mas que também, e pelo menos ainda bem para mim, nunca vai cair na cómedia pura (também era muito estranho se isso acontecesse, j
a que é Oliver Stone que está ao leme do filme), e à sua liderança politica dos Estados-Unidos e claro, na guerra do Iraque (parece que vamos ter direito a dialogos maquiavalicamente deliciosos nas salas de conferência quando George W.Bush estiver presente!!!!). Atendendo às palavras de Stone, parece quase que ele vai retratar a personagem de Bush, como um herói-trágico caido em dresgraça e descrédito tanto pessoal como politico.



Também tenho de referir que o casting está até ao momento perfeito, as fotos de Josh Brolin (fabuloso!!!!, milhões de anos luz melhor que Bardem em "No Country For Old Men", ups parece que vou levar porrada qualquer dia!!!!) que parece estar excelente como Bush (ele diz que até o andar do presidente está a estudar!!!!) e Elizabeth Banks como a primeira dama, e role-model das futilidades, Barbara Bush.



Portanto, é com convicção que digo que espero este projecto muito prometedor de forma impaciente!!!!




Abraços para todo o pessoal do Blog!!!!




P.S.--> Mr. Hand, ainda não estás zangado comigo pois não? EHEHEHE

Taiga disse...

é claro que o Mr.Hand está zangado ou até irado contigo, após teres proferido "(fabuloso!!!!, milhões de anos luz melhor que Bardem em "No Country For Old Men", ups parece que vou levar porrada qualquer dia!!!!)"

devias ser cortado ás postas e dado de comer ao Jabba!


segundo,já viste o any given sunday do Oliver Stone?

nao? eu bem me parecia! SHAME ON YOU!


AH AH :P


P.S - o 1408 está um filme jeitoso,depois explico porque.

abraços e beijinhos para todos

Mr. Hand disse...

Sempre gostei dos espertalhões que falam sem terem vistos os filmes.
"Salvador"
"Platoon"
"Wall Street"
"Talk Radio"
"JFK"
"U-Turn"
"Any Given Sunday" (this movie is a master piece!!!)
"World Trade Center"
I rest my case!

Zatoichi disse...

Fogo, que ataque frontal À minha pessoa!!!! LOL.


Primeiro que tudo, nunca disse que vi os filmes todos de Oliver Stone para ter uma opiniao completamente formada sobre os filmes deste, mas daquilo que vi dele, o que li e a sua postura em entrevistas, documentários ou artigos de Oliver Stone, acho que é justo dizer que Oliver Stone é um realizador com uma grande quantidade de activismo politico.
Sinceramente nunca fui grande apreciador desse tipo de filmes, não gosto que os filmes não me dêem lições de moral (mas isso não implica que, apesar de eu não apreciar, não sejam bons filmes ou que os interveniente nele não sejam bons, muito pelo contrário, eu é que sou esquisito!!!!), e apesar de ter curiosidade em ver vários filmes dele, tam´bém tenho de admitir que vou sempre com um pé atrás em termos de expectativas (principalmente no "Nascido A 4 de Julho" e "JFK").



Em relação a Josh Brolin e Javier Bardem, sim prefiro muito mais a interpretação de Brolin à de Bardem.
Para mim a interpretação do actor hispânico ganhou esta reputação toda, não por causa da sua interpretação propriamente dita, para mim extremamente monolitica e fria (se bem que a personagem necessita disso), mas por causa de, e uma vez mais aqui está o génio dos Coen, a escrita e a maneira como os Irmãos Coen criaram esta personagem (uma espécie de retribuição sobre os actos que a Llewelyn Moss toma) e claro as suas falas (a cena na estação de serviço entre Bardem e o velhote é completamente genial).
Mas, e para que fique bem claro, esta é somente a minha opinião e não aquilo que deve ser, se me faço bem entender. (Até rimou).



Despeço-me com abraços para todos.

Zatoichi

Taiga disse...

ATENÇÃO: O COMENTÁRIO SEGUINTE PODERÁ CONTER SPOILERS!
CONSIDEREM-SE AVISADOS!

INÍCIO DO COMENTÁRIO:

Nota ao Comentário do Zatoichi: 6/10

FIM DO COMENTÁRIO.

AH AH :D

pronto pronto,deixemos as brincadeiras de parte.

eu gostaria de perguntar ao Mr.Hand se acha que o Oliver Stone é digno de se considerar,na arte soberba que é a realização, um realizador verdadeiramente político,e se o pudemos enquadrar no circulo elitista que são os realizadores que são capazes disso.

Atenção,também subscrevo ás palavras do zatoichi no sentido em que não vi toda a filmografia do Stone,mas o pouco que vi,considero que faz ensaios brilhantes no material que pega,e prima sempre nas componentes políticas,quer seja no JFK, Natural Born Killers ou no Any Given Sunday,porque sim,estes três filmes(unicos que vi penso eu),não deixam jamais de fora essa componente,sendo em primeiro ou segundo plano de leitura.


May the force be with them,with Uwe Boll and Michael Bay.

Abraços e beijinhos (beijinhos grandes para o zatoichi,ele é muito fofo LOL) AH AH !

Mr. Hand disse...

Grande Taiga, sem dúvida que Oliver Stone é um realizador político, daí que provoque a rejeição de muitos cinéfilos.
Mas penso também que não podemos reduzi-lo a isso, porque para mim, Oliver Stone é antes de tudo um observador acerbo das contradições das nossas sociedades modernas e também do ser humano.
Portanto, uma das suas grandes forças é a caracterização que faz das personagens, sempre torturadas, ambiguas, divididas entre decisões ou atitudes a tomar, sendo que o cineasta consegue como poucos inscrever essas personagens num contexto social ou politico actual para interpelar e fazer reflectir o espectador.
Daí que não acho nada Oliver Stone um realizador moralista, pelo contrário. É sim um autor agressivo que nos quer perturbar e fazer sentir um desconforto, obrigando-nos a questionar as nossas crenças, as nossas certezas e o nosso conceito do bem e do mal. O único filme que posso acusar de moralismo, e por isso ter algumas reservas sobre ele apesar de o apreciar mas menos do que os outros, é precisamente "Natural Born Killers", onde o apontar do dedo é demasiado evidente. Prefiro sem dúvida um "JFK", um Platoon", um "Salvador", um "Wall Street" e sobretudo um "Any Given Sunday" que é uma verdadeira obra-prima panfletária de uma inteligência rara onde a violência e a visceralidade dos retratos humanos (insisto nessa palavra) explodem na cara do espectador ao ponto de sairmos do filme no estado lastimoso que estariamos se tivessemos participado numa partida de futebol americano.
Depois, Oliver Stone é também um excelente contador de histórias e um técnico impressionante e para isso tomo o exemplo de um filme noir que nada tem de politico, "U-Turn", pequeno filmeque passou despercebido mas que é uma pequena bombda de perversidade e de fatalismo absurdo, onde também se prova mais uma vez a sua qualidade como director de actores.
Dito isto tudo, apenas o "Alexander" me desiludiu, mesmo se o filme etm interesse, como todos os filmes falhados dos grandes cineastas. E repito, "World Trade Center" é um filmaço para o qual foi preciso um tomates do caraças porque enquanto o sobrevalorizado Paul Greengrass escolhia a facilidade do realismo total, Oliver Stone a opção mais dificil, a do cinema total.
Portanto e apesar de não ser dos meus realizadores preferidos, só por isso e também por nunca estar onde o esperamos, Oliver stone é um dos grandes cineastas americanos. Respect!