sábado, 24 de maio de 2008

"Triangle": crítica

Infelizmente eclipsado pela estreia do 4º filme da saga “Indiana Jones” e ainda pior distribuído que “La Habitación de Fermat” (apenas uma sala a nível nacional, uma vergonha), “Triangle” é simplesmente o melhor filme deste mês de Maio.

- “Triangle” de Tsui Hark, Ringo Lam e Johnnie To:
Merecidamente distinguido pelo prémio de Melhor Filme da Secção Oficial Orient Express no Fantasporto 2008, “Triangle” é um sonho de cinéfilo porque realizado por 3 dos nomes mais importantes do cinema de Hong-Kong, o génio imprevisível Tsui Hark, o atípico e seco Ringo Lam e o surpreendente e talentoso Johnnie To. Funcionando na base do conceito do cadavre exquis que consiste em criar uma história por vários artistas sem que nenhum deles saiba do trabalho dos outros, “Triangle” é uma obra conceito que resulta num curioso pedaço fílmico que disserta de forma original sobre o destino, as relações humanas, os objectivos pessoais e o que estamos dispostos a perder para atingir sonhos ilusórios.
Para além disso, “Triangle” é também um formidável prazer para quem quer estudar ao pormenor, e sem didactismo nenhum, a ciência da diegese cinematográfica através de 3 gramáticas formais diferentes mas aqui em perfeita sintonia.
Esta história a priori banal de três personagens, cada uma com os seus problemas pessoais e desejosas de fugir das suas vidas, que montam um esquema para roubar um tesouro seguindo as indicações de uma misteriosa personagem, permite a estes 3 cineastas fora de série transcender a ideia de partida e proporcionar uma obra densa, estranha, profunda e absurda, conseguindo preservar o estilo específico de cada um ao mesmo tempo que se constrói progressivamente uma unidade de tom e temática inesperada.

Assim, Tsui Hark é o primeiro a entrar em cena e trata de expor os objectivos da história, de apresentar as personagens e de deixar antever as temáticas a desenvolver. A mestria do cineasta é mais uma vez impressionante e, entre movimentos de aparelho de uma precisão milimétrica e quadros poderosos que valem mais que mil palavras, somos de imediato transportados para o universo do filme e para os dilemas das personagens. É incrível ver com que facilidade Tsui Hark organiza todas as linhas narrativas, num autêntico acto de malabarismo, onde cada problema das personagens (a mulher infiel de Simon Yam e o seu amante polícia corrupto que chantageia Louis Koo enquanto o mesmo é pressionado por mafiosos por causa de um golpe, tentando arranjar um condutor para esse mesmo golpe na pessoa de Simon Yam, wow!) se transforma numa possível direcção a explorar para o realizador que virá a seguir. Sem contar a introdução de um ambiente subtilmente fantástico através da personagem fantasmagórica do velho misterioso que propõe ao improvável trio o roubo do famoso tesouro, uma túnica bordada de ouro, e da caracterização da cidade (a lembrar curiosamente Johnnie To), sempre tratada como uma verdadeira personagem.
De seguida, ficou então a cargo de Ringo Lam explorar os temas e as linhas narrativas introduzidos por Tsui Hark, sendo da responsabilidade de Johnnie To concluir o filme. Nesse contexto, Ringo Lam acaba por ter a parte mais difícil da história mas safa-se de forma brilhante. Contrariando um pouco o seu estilo visual geralmente seco e brutal, o cineasta escolhe explorar o lado sombrio das suas personagens, nomeadamente do casal Simon Yam/Kelly Lin, como tão bem o fez nos seus filmes anteriores. Para tal, leva as suas personagens num turbilhão de emoções dúbias e de acções ambíguas, onde a violência se mistura com momentos de ternura repentinos, desenvolvendo mais além o ambiente onírico e absurdo esboçado por Tsui Hark no seu segmento. A cena no prédio abandonado é nesse aspecto um modelo de cena de amor visceral e trágica, magnificada por um jogo de luz evocativo e um ambiente surrealista que traduz na perfeição o percurso interior das personagens ao longo do filme.

O testemunho passa de seguida para o iconoclasta Johnnie To que vai concluir esta história da melhor forma possível, entre excelência visual e rigor temático imparável. Pegando no aspecto mais absurdo dos acontecimentos, o início do seu segmento faz penetrar o espectador por completo no universo de fantástico ambíguo até aqui desenvolvido (veja-se o tratamento reservado à personagem de Kelly Lin e a introdução da personagem de mecânico vigarista e parkinsoniano interpretada por Lam Suet, actor fetiche do realizador).
Assim, todas as envolventes do filme reencontram-se num restaurante isolado no meio de uma floresta, onde o trio principal, a mulher de Simon Yam, o amante polícia corrupto, os mafiosos, um polícia motard e o mecânico vigarista vão se confrontar num bailado de movimentos de objectos e de corpos que numa fase inicial relembra curiosamente Tsui Hark (particularmente o fabuloso “Time and Tide”) mas, no seu progressivo imobilismo da acção e clímax falsamente anti-espectacular (o plano largo da floresta perturbada pelo fumo das balas a sair das pistolas), não deixa dúvidas sobre quem está atrás das câmaras.
O final ganha portanto contornos altamente oníricos, sendo que as personagens têm de aceitar o seu destino e saber assumir o lugar que lhes está reservado no universo. Não será então gratuito o filme acabar com as personagens principais num carro a percorrer um caminho de província numa noite escura fracamente iluminada que, ao cruzar-se com a velha figura fantasmagórica que despoletou toda esta aventura, carrega desta vez no acelerador sem olhar para trás. Ao escolher a vida no seu sentido mais pleno, há que aceitar o caminho que está a nossa frente, com os seus obstáculos e as suas incertezas.
Logo, “Triangle” é simplesmente de uma inteligência rara e um filme arriscado de 3 experimentalistas sobredotados, para quem o domínio da 7ª Arte já não tem segredos, o que não os impede de se questionar sobre o media que utilizam. Original, visual e tematicamente estrondoso, “Triangle” é portanto também uma profunda reflexão sobre o cinema, a sua gramática estética, a sua dialéctica narrativa e de que forma a destruturação e a desorganização podem ser criadoras de matéria para trabalhar. A organização do caos de Tsui Hark, o mergulho nas zonas negras do ser humano de Ringo Lam e a movimentação estática como reflexão na interacção com o meio ambiente de Johnnie To, é disto que é feito “Triangle”. 3 visões, um filme único. Um sonho de cinéfilo, meus amigos, um sonho de cinéfilo!

2 comentários:

Zatoichi disse...

Basicamente, não tenho nada a acrescentar a esta fabulosa critica, cortesia do grande Mr.Hand.
Só queria dizer para os criticos nacionais pseudo-intelectuais, sim estou a falar de vocês jornalistas do JN E Do Publico palhaços do caralho!!!!!!, para porem os olhos nesta critica, irem para a escolinha de novo para aprender a ler e a escrever, e depois voltem a dar bitaites ok?



Viva o omoviewhereartthou.blogspot.com, viva o Mr. Hand, viva o cinema de género integro e transgressivo e acima de tudo, viva as opinioes independentes e bem explanadas, como as deste site!!!!

Admin disse...

Hey,

I like your site, its very informative. I was wondering if you wanted to exchange links. If yes, you can find my information below. Be sure to give me your information so we can properly exchange links. Thank you.

Paranormal Knowledge
http://www.paranormalknowledge.com

You can contact me at jason@paranormalknowledge.com or just simply be placing a comment on my blog.

Sincerely,
Jason